A geografia da saúde no Brasil: Estado da arte e alguns desafios

  • Francisco Mendonça Vicerrectoría de Asuntos Académicos, Universidad de Chile
  • Wiviany Mattozo de Araújo Universidade Federal do Paraná (UFPR). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Laboclima. Departamento de Geografia. Av. Francisco H. Sanots, s/n. Centro Politécnico - Jardim das Américas.Edificio João Jose Bigarella, sl. 209.81531-970. Curitiba. PR
  • Thiago Kich Fogaça Universidade Federal do Paraná (UFPR). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Laboclima. Departamento de Geografia. Av. Francisco H. Sanots, s/n. Centro Politécnico - Jardim das Américas.Edificio João Jose Bigarella, sl. 209.81531-970. Curitiba. PR

Resumen

A abordagem do processo saúde-doenças das populações humanas foi marcada, ao longo da história, por diferentes perspectivas. Ela saltou de concepções religiosas e naturalistas, predominantes até o século XIX, para uma perspectiva biomédica e unicausal na Modernidade. No momento mais recente - após os anos 1980, a abordagem tem privilegiado a perspectiva multicausal, especialmente no Brasil. A geografia, uma das ciências a se ocupar da dimensão espacial dos processos saúde-doença das populações, refletiu de maneira direta este contexto. Ela registrou um longo período de produções acerca das doenças (Topografias Médicas ou Geografia Médica), tendo se direcionado mais recentemente ao tratamento da atenção à saúde (Nosogeografia e a Geografia dos Serviços de Saúde), donde denominar-se Geografia da Saúde. Ela constitui um campo em franco desenvolvimento e consolidação no Brasil, interligando campos do conhecimento geográfico, epidemiológico e medico. Seus principais desafios no presente encontram-se relacionados ao aprofundamento das possibilidades de aplicação do geoprocessamento, à abordagem territorial e de redes-fluxos, e ao envolvimento da perspectiva do conhecimento vernacular-tradicional. Tais desafios evidenciam a complexidade inerente aos estudos da Geografia da Saúde.
Compartir
Cómo citar
Mendonça, F., Mattozo de Araújo, W., & Kich Fogaça, T. (2015). A geografia da saúde no Brasil: Estado da arte e alguns desafios. Investigaciones Geográficas, (48), Pág. 41-52. doi:10.5354/0719-5370.2015.36675
Sección
Artículos
Publicado
2015-06-23